Eis que chega à nossa realidade um “fato fatal” para ilustrar o tamanho da bestialidade que é esse novo movimento político que tomou conta do Brasil.

Um Guarda Municipal de Foz do Iguaçu, petista, que comemorava seu aniversário de 50 anos com o tema PT, Marcelo Arruda, foi assassinado a tiros pelo Agente Penitenciário Federal, Jorge José da Rocha Guaranho, que antes gritou “aqui é Bolsonaro“.

Imagem do perfil do Bolsonarista que matou o Guarda Municipal de Foz do Iguaçu que fazia aniversário com tema do PT

Que conservador nos costumes é esse, que vive bêbado, de acordo com ocorrência noticiada pela CNN? Que inicia uma briga armada com esposa e filho de colo no carro? Que cristão é esse que mata?

Quando pensamos que tínhamos chegado ao fundo do poço com o Lulopetismo fazendo de conta que os pedalinhos do sítio de Atibaia não eram o que de verdade eram, eis que nos surge o Bolsonarismo, que prega o uso de armas, o desrespeito aos adversários, às instituições, insinua que com as forças armadas passa o rodo em tuto e todos e depois apresenta um presidente dizendo que não tem nada a ver com o assassinato em questão.

Óbvio que tem sim.

Um discurso de um presidente da república tem um enorme peso no imaginário das pessoas, com a capacidade de arrebanhar muitas consciências e por que não dizer muito gado.

Quer mais provas do que as várias falas de Bolsonaro chamando sua trupe para a luta, dizendo que estão prontos para tudo, que não vão mais respeitar determinações judiciais, insinuando a impunidade com o induto a quem convoca a invasão de instituições, a morte de autoridades e tals.

Deu no que deu!!!

E o pior de tudo é que esse tempo verbal acima ainda pode estar errado e a conjugação correta dele seja: “Vai dar no que der“.

Mas é bom entender que a tentativa de “intimidação de adversários políticos pela violência” não é coisa nova, ela é coisa dos extremos, quem não lembra das citações constantes de Lula sobre o “exército de Stédile”? Quem não lembra do ex-vereador Maninho que, junto do seu filho, empurrou um empresário que bateu a cabeça em um caminhão?

Repetindo, esse expediente é coisa dos extremos. De todos eles.