A vergonha que o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (UN) passou nesta terça-feira (28), talvez só não tenha sido pior do que a do dia 4 de maio, quando ele fez aquela apelativa, para não dizer patética, ridícula e decrépita, dancinha do TIK TOK do “Desenrola, bate, joga de ladinho”.

Quem ainda não viu confere abaixo:

Para sair na foto como autor da redução da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre os combustíveis em Goiás, Caiado tentou dar uma aula sobre a medida, que ele adotou apenas porque foi obrigado a cumprir a Lei Complementar 194/2022, sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) a cinco dias.

Quando candidato em 2018, portanto no tempo em que é bonzinho, Caiado havia criticado as alíquotas do imposto e prometido a redução, porém, após assumir o governo ele tirou a máscara, e o chegou a colocar a diminuição da taxação como ‘inviável’.

É público e notório que o governo Caiado tentou evitar e adiar ao máximo a diminuição do imposto, que só enxergou como redução da receita, ignorando a necessidade social, que ele vem chamando de mi mi mi.

O governador se atrapalhou todo na hora dar a “aulinha”, tentou justificar a adoção da medida somente agora, quando estava obrigado, e não antes, jogando a culpa no Regime de Recuperação Fiscal, que aderiu oficialmente em 24 de dezembro de 2021.

Caiado também mentiu ao dizer que “Goiás” vinha adotando medidas para conter a escalada dos preços dos combustíveis com o congelamento da tarifa básica de incidência do imposto, quando na realidade o ato era nacional, aprovado pelo Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária)em novembro de 2021 com a criação do Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF).

O que não se faz por uma eleição né? Mas se faz porque os políticos com esse tipo de prática de Caiado conta com uma população desinformada ou de memória curta.